Eu não sei quantas vezes por dia seu aplicativo de mensagens instantâneas chama ou as suas redes sociais lhe requisitam com uma nova atualização. Também não posso imaginar quantos links você repassa, mas tenho certeza de que a velocidade com que o faz talvez não respeite o tempo necessário para honrar a prudência. Estamos em plena era das “fake news” e você provavelmente tem sido mais enganado do que gostaria. E muito provavelmente tem inadvertidamente enganado também sua família e seus amigos virtuais. Portanto, muita calma nesta hora. Nos dias atuais, precisamos repassar conteúdo com moderação.

Vários países têm discutido a falsidade e a manipulação de informações no mundo cibernético. Textos com cara e jeito de notícia, baseados em fatos muitas vezes não reais, que manipulam verdades, criando mentiras. Manipulação de imagens ou associação de fotos e vídeos com fatos que nada tem a ver fazem com que qualquer um jure veracidade diante de uma matéria falsa. Isso não é apenas um perigo. É um risco de proporções absurdas. Mas, por incrível que possa parecer, essa disseminação de notícias falsas que circulam nas redes sociais surgiu bem antes do advento da internet.

Durante o período da Alemanha nazista, por exemplo, um dos grandes colaboradores do ditador Adolf Hitler, Joseph Goebbles, ficou conhecido por seus discursos e grande capacidade de oratório. Foi na condição de ministro de propaganda que Joseph, conseguiu por determinado período controlar a imprensa, arte e informação na Alemanha, utilizando-se de filmes e rádios para fins de divulgação de “suas” concepções na clara tentativa de moldar o comportamento e a moral de toda aquela sociedade. É de Joseph Goebbles a frase: “uma mentira contatada 1000 vezes torna-se verdade”. Será que isso é possível?

Aqui no Brasil, temos adoradores e praticantes das táticas de Joseph, que acreditam que uma mentira contada 1000 vezes poderia se tornar verdade e o com isso formar exércitos de zumbis. Digo isso, por que durante esse final de semana, fui bombardeado com inúmeras mensagens sobre um acordo feito pelo Partido dos Trabalhadores, José Genoíno e o palhaço Tiririca, que colocaria Genoíno, na Câmara de Deputados no lugar do deputado federal Tiririca que renunciou a vida pública.

As mensagens, amplamente divulgadas nas redes sócias e grupos de WhatsApp noticiam que a decisão do então deputado palhaço Tiririca seria fruto de um acordo escuso com o suplente, José Genoíno, do PT. Tal notícia, circula nas redes como rastro de pólvora e leva a uma parcela significativa da população uma mentira intencional. Afirmo isso, pois José Genoíno não foi nem ao menos candidato nas eleições de 2014, como poderia assim, ser suplente de Tiririca e ter feito qualquer acordo ele ou nosso partido? Pois bem, repondo: não poderia.
É importante que fiquemos atentos e não ajudemos na divulgação de mentiras como verdades, plantadas e distribuídas por fakes e nos tratando como manadas. Enfim, não acredito que uma mentira contada 1000 vezes torne-se verdade, mas creio que essa mesma mentira multiplicada pode destruir pessoas, vidas, famílias e o projeto de um pais soberano, justo e de todos.

O fato concreto é que na disputa política de projetos distintos, um que inclui (o nosso) e outro que exclui cada vez mais os pobres do orçamento, temos visto, uma postura mentirosa, covarde, preconceituosa, fascista e reacionária, utilizando-se de métodos e práticas já conhecidas no mundo Nazista. Aqui no Brasil, a perseguição ao PT, Lula e aos trabalhadores (as) acontece assim, mentiras, contadas e distribuídas por fakes, tentando tratar a todos nós como uma verdadeira manada condicionada a ações e reações sem refletir, pensar, criticar e pior, ajudando a repercutir muitas mentiras como verdades.
Fiquemos atentos.

Vereador Honorato Fernandes Presidente do PT de São Luís – MA